Twitter pode proibir anúncios de criptomoedas

O Twitter poderá proibir anúncios de criptomoedas. O webite Sky News informou no dia 18 de março que a rede social poderia estar considerando implementar a proibição de publicidade relacionada a criptomoedas em até duas semanas.

O Twitter ainda não posicionou-se sobre o assunto. Caso confirmado, o banimento dos anúncios sobre as criptomoedas no Twitter segue na sequência de banimentos no Facebook (janeiro) e no Google (prevista para junho de 2018).

Ainda segundo a reportagem da Sky News, o editorial relata que “[entendem] que a nova política de publicidade será implementda em duas semnas e atualmente proíbe propagandas para Ofertas Iniciais de Moeda (ICOs), vendas simbólicas e carteiras globais de criptomoedas”.

O anunciado banimento de anúncios de criptomoeda do Twitter viria na sequência do banimento pelo Facebook de publicidade em criptomoeda em janeiro e da recente atualização do Google para a política de serviços financeiros que proibirá anúncios de cripto a partir de junho de 2018.

A Sky News escreve que eles “[entendem] que a nova política de publicidade será implementada em duas semanas e atualmente proíbe propagandas para Ofertas Iniciais de Moedas (ICOs), vendas simbólicas e carteiras de criptomoedas globalmente”.

O Twitter também teria experimentado um fluxo de contas “fake” que fingem anunciar brindes em criptomoedas. Muitas destas falsas contas utilizam-se de imagens de personalidades de personagens do mundo das criptos como Charlie Lee da Litecoin.

Para Mark Carney, governador do Banco da Inglaterra (também citado na matéria), chegou o momento de “regular elementos do sistema de criptomoedas para combater atividades ilícitas”. Ele ainda acrescenta que “há uma série de problemas com as criptomoedas. Eles são pequenos agora, mas estão ficando maiores.”


E você, o que acha sobre esta sequência de banimentos nos anúncios sobre criptomoedas em redes sociais? Já houveram banimentos no Facebook, o anúncio do Google, proibições similares na China e agora há a possibilidade de isto também acontecer no Twitter. Você concorda ou discorda com o posicionamento destas empresas?

Imagem: Pixabay