Criptomoedas

Trump proíbe americanos de comprarem Petro

O presidente dos EUA, Donald Trump, proibiu a criptomoeda do governo venezuelano, o Petro, por ordem executiva em 19 de março, informou a Bloomberg.

Segundo informado pela Bllomberg, o presidente norte americano, Donald Trump, proibiu que americanos comprassem a criptomoedas do governo venezuelano, o Petro.

O ato de proibição foi divulgado como parte de uma campanha de sanções para pressionar o presidente Nicolás Maduro. De acordo com a proibição, cidadãos norte americanos (EUA) estão estritamente proibidos do envolvimento em transações que envolvam o Petro.

O anúncio da proibição inibe os esforços do governo venezuelano de aumentar suas reservas de moeda estrangeira. O ICO do Petro estava recebendo moedas estrangeiras como o dólar americano e o Euro. Isto significa que cidadãos venezuelanos que estejam morando em solo americano não poderão participar da compra da criptomoeda de forma legal uma vez que também há uma proibição da compra de moeda estrangeira na Venezuela.

Segundo o secretário do Tesouro dos EUA, Stevem Mnuchin:

“O presidente Maduro dizimou a economia venezuelana e provocou uma crise humanitária. Em vez de corrigir o curso… o regime de Maduro está tentando contornar as sanções através da moeda digital Petro”.

Em janeiro deste ano, o Tesouro Americano já havia alertado os investidores que evitassem a compra e os envolvimentos com o Petro. O tesouro americano chamou o Petro de “outra tentativa de sustentar o regime de Maduro, além de saquear os recursos do povo venezuelano”.

A criptomoeda venezuelana tem se esforçado para encontrar interesse e legitimidade diante dos governos estrangeiros. No início deste ano, o governo venezuelano afirmou que a Polônia teria interesse na comercialização de alimentos em remédios a serem pagos em Petro. Tal afirmação foi negada pelo Ministério das Finanças e pelo Ministério das Relações Exteriores da Polônia.

Porém, o Camboja considera criar a sua própria criptomoedas com o patrocínio do estado: o Entepay.


Imagem: Petro

Entre na discussão