Arquivo da tag: REGULAMENTAÇÃO

A decisão da SEC sobre ETF Bitcoin quebra a esperança de uma corrida do ouro pelas criptomoedas

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (Securities and Exchange Commission – SEC) proferiu a aguardada decisão sobre as propostas pendentes de fundos negociados em bolsa (ETF) na quarta-feira, e a decisão não foi a notícia que a indústria de criptomoedas esperava.

A agência rejeitou todas as nove propostas de ETFs de Bitcoin arquivadas pela ProShares, Direxion e GraniteShares em três ordens separadas, de acordo com o portal de notícias CNBC.

Enquanto todos os três provedores de ETF deram seu próprio raciocínio sobre por que um ETF Bitcoin deveria ser concedido, a SEC os rejeitou por motivos comuns.

A agência observa que essa rejeição não tem nada a ver com o fato de a tecnologia Bitcoin e blockchain ter utilidade ou valor como inovação ou investimento. De fato, a SEC concluiu que nenhuma das bolsas poderia demonstrar satisfatoriamente sua capacidade de impedir atos e práticas fraudulentas e manipuladoras.

A SEC também citou a incapacidade das bolsas de provar que os mercados futuros de Bitcoin são “mercados de tamanho significativo” como a outra razão para a rejeição das as propostas.

A SEC observa que é importante que os mercados futuros de Bitcoin sejam de tamanho significativo, porque as bolsas não conseguiram provar sua capacidade de evitar fraude e manipulação por outros meios. Portanto, “o compartilhamento de vigilância com um mercado regulado de tamanho significativo relacionado ao Bitcoin” é necessário para satisfazer os requisitos legais de prevenção de fraude e manipulação no comércio de ETFs.

Vale a pena notar que a SEC não aprovou nenhum ETF de criptomoeda até o momento. No mês passado, a agência rejeitou uma proposta de ETF Bitcoin apresentada pelos gêmeos Winklevoss pela segunda vez. A agência ofereceu uma argumentação semelhante para o indeferimento, citando a “falta de compartilhamento de vigilância com um mercado regulado de tamanho significativo”.

O julgamento da SEC não é uma surpresa, dadas suas rejeições e argumentos anteriores. No entanto, muitos entusiastas dos criptoativos esperavam que uma decisão positiva pudesse dar início a uma nova corrida para os mercados de criptomoeda.

A CNBC observou que os preços do Bitcoin aumentam em especulações toda vez que se espera uma decisão da SEC sobre os ETFs:

Os preços conturbados do bitcoin saltaram à frente de outros prazos da SEC para ETFs neste verão. A criptomoeda subiu 20%, acima dos US $ 8.000, no final de julho, devido a rumores de que outro ETF, proposto por VanEck, seria aprovado em agosto. Essa decisão foi posteriormente adiada pela agência. 

Mesmo ontem, antes da decisão da SEC, o preço do Bitcoin aumentou em US$ 400 em menos de 20 minutos. Mesmo que não seja possível estabelecer uma conexão direta com a decisão da SEC, a CoinDesk observa que o previsto julgamento da ETF Bitcoin estava desempenhando um papel importante nos sentimentos comerciais por trás da criptomoeda.

“Embora os preços possam disparar se a SEC aprovar o ProShares [B]itcoin ETF, o mercado de [B]itcoin provavelmente entrará em crise se a SEC rejeitar a ETF ou atrasar a decisão”, observa Omkar Godbole para a Coindesk.

Mas nem todos estão interessados na decisão da SEC de afetar o mercado do Bitcoin. Um grupo de apoiadores do Bitcoin está argumentando que a SEC ou os ETFs não desempenham nenhum papel em afetar os “sentimentos” do mercado pelo ápice mundial da criptomoeda.

https://twitter.com/YORKyor780/status/1032302765601681410?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1032302765601681410&ref_url=https%3A%2F%2Fthenextweb.com%2Fhardfork%2F2018%2F08%2F23%2Fsec-cryptocurrency-bull-run%2F
Será que podemos finalmente parar com toda essa besteira de ETF?
Quantas negações precisam ser feitas antes que as pessoas entendam que o Bitcoin não precisa de um ETF.
https://twitter.com/ProofofResearch/status/1032458933154271232?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1032458933154271232&ref_url=https%3A%2F%2Fthenextweb.com%2Fhardfork%2F2018%2F08%2F23%2Fsec-cryptocurrency-bull-run%2F
2017: “Os grandes bancos não conseguem controlar o bitcoin! Esta é uma revolução financeira que não pode ser parada! Descentralização!”
2018: “A menos que tenhamos esses ETFs aprovados, estamos ferrados. Precisamos de dinheiro institucional de grandes agentes financeiros para salvar o Bitcoin!”

No entanto, outros – incluindo o líder do Projeto Monero, Riccardo Spagni (mais conhecido como Fluffypony) – estão apontando que o julgamento da SEC e a aprovação dos ETFs da Bitcoin desempenham um papel importante na obtenção do dinheiro de Wall Street no Bitcoin e nas criptomoedas.

https://twitter.com/fluffypony/status/1032453164010811392?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1032453164010811392&ref_url=https%3A%2F%2Fthenextweb.com%2Fhardfork%2F2018%2F08%2F23%2Fsec-cryptocurrency-bull-run%2F
[TokenPay]”Podem argumntar que os produtos financeiros suíços são superiores aos norte-americanos em virtude de a própria Suíça ser um patrimônio histórico seguro para investidores de alto patrimônio líquido”.
[Riccardo Spagni] “Não discordo, mas isso não altera o efeito que um ETF americano teria nos investidores institucionais dos EUA”.

Curiosamente, quase 10 horas desde que a decisão da SEC saiu, o mercado de Bitcoins não parece ter sido afetado tanto assim. Isso poderia ser um sinal de que o mercado de criptomoedas finalmente amadureceu a um nível que não é influenciado por todas as notícias.

Preço de mercado do Bitcoin de 22 de agosto de 2018 a 23 de agosto e 2018.
Preço de mercado do Bitcoin de 22 de agosto a 23 de agosto de 2018. Fonte: coinmarketcap.com
https://twitter.com/jeetsidhu_/status/1032463139214970881?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1032463139214970881&ref_url=https%3A%2F%2Fthenextweb.com%2Fhardfork%2F2018%2F08%2F23%2Fsec-cryptocurrency-bull-run%2F
“9 recusas da ETF hoje e o preço da Bitcoin permanece inalterado, a China proibiu várias vezes, a Coreia do Sul teve uma revolta quando tentou, o trust da Mt. Gox caiu, coinbase-ninja adicionando BHC, Bitmain uma força gasta. A inevitabilidade da hiperbitcoinização está subindo no sistema”.

Está claro pelas frequentes rejeições das propostas de ETFs com criptomoedas pela SEC e sua argumentação de que a agência americana não acredita que ainda seja o momento certo

O fato de os mercados de criptomoedas estarem sujeitos a manipulação significativa de mercado (em meio à falta de regulamentações) não é exatamente uma revelação para ninguém. Talvez seja melhor para o setor de criptomoedas defender melhores regulamentações de mercado antes de esperar que a SEC aprove os ETFs.

https://twitter.com/lopp/status/1032447874498482176?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1032447874498482176&ref_url=https%3A%2F%2Fthenextweb.com%2Fhardfork%2F2018%2F08%2F23%2Fsec-cryptocurrency-bull-run%2F
Os “grandes golpes” livrados [contra] Bitcoin pela acelerada taxa de rejeição de ETFs pela SEC.

Nota: Esta é uma tradução livre do artigo SEC ruling on Bitcoin ETF shatters hope for a cryptocurrency bull run.

Os ICOs seriam mais que apenas projetos duvidosos?

Apesar de controversos, os ICOs (do Inglês, Initial Coin Offering), ou simplesmente Ofertas Iniciais de Moeda ainda são uma fator bastante controverso no mercado financeiro. Um enorme grupo de projetos fraudulentos tem manchado o potencial desta indústria que, no momento, perde legitimidade. Os golpes sempre recebem toda a atenção e sempre deixam as grandes ICOs sem repercussão. Virar este jogo pode ser o grande desafio do ano de 2019.

As ICOs ainda são bastante atraentes

Os projetos de ICO geralmente possuem bastante destaque pela sua facilidade de arrecadar receita. A grande maioria sempre arrecada milhões de dólares em dias e alguns até em horas. Um bom ICO pode levar apenas alguns dias para arrecadar de US$5 a US$ 20 milhões sem maiores problemas.

Isto nos deixa uma mensagem positiva: a de que os ICOs não perderam o interesse do público. Na primeira metade de 2018, mais dinheiro fora arrecadado com ICOs do que todo o ano de 2017. E lembre-se de que este foi o ano do boom do Bitcoin. Mas devemos lembrar que em parte, este número deve-se ao já citado rally do Bitcoin e da disseminação do conhecimento e adoção das criptomoedas.

Outro fator interessante é o grande número de fraudes e projetos fraudulentos presentes nesta indústria. Os ICOs nem sempre podem ser considerados legítimos e confiáveis. Estima-se que oito em cada dez projetos possam ser considerados uma fraude por um grande número de fatores.

Este é um número que preocupa e torna os ICOs menos atrativos a seus investidores, pelo menos aos mais desavisados. Porém, muitos projetos interessantes também estão arrecadando e ainda irão arrecadar bastante dinheiro.

Neste sentido, a busca por um modelo de negócios que facilite a transparência dos mesmos não será algo simples de encontrar. Isto de fato facilitaria a detecção de boas práticas para bons investimentos pelos consumidores e boas alternativas a este respeito podem ser exploradas.

Muitos países estão estabelecendo diretrizes de regulação para os ICOs. O que entendemos é que quaisquer alterações futuras precisam ser incorporadas aos projetos o mais rápido possível – sejam elas alternativas centralizadas ou descentralizadas.

Criptomoedas: Bitcoin, Ethereum e Ripple

ICOs possuem um futuro positivo

O verdadeiro potencial das ofertas iniciais de moeda não deve ser negligenciado apesar das repercussões negativas. Esta nova e eficiente maneira de arrecadar fundos pode ajudar na criação de um sistema econômico completamente novo e disruptivo.

Por meio dele, várias empresas podem levantar dinheiro diretamente de pequenos, médios a grandes investidores sem ter de lidar com os famosos VCs e capitalistas de risco. Os consumidores também têm a oportunidade de investir em projetos aos quais se identificam e acreditam. Com isso eles também podem colher recompensas a médio e longo prazo. Neste cenário, a inovação é amplamente apoiada e recompensada por meio dos ICOs.

Mas esta ainda é uma indústria em seu estágio inicial. É bastante normal existir este período de tentativa e erro. Faz parte do ciclo de inovação. Mas tomando como base o atual cenário do setor, os meios de regulação podem ajudar a indústria a se estabelecer.

Os projetos ruins precisam ser identificados e eliminados o mais rápido possível. Com a repressão da SEC sobre ICOs fraudulentas, um importante passo foi dado nesta indústria. De fato, o pequeno e médio investidor deve ser protegido e, antes e tudo, advertido.

Mas a indústria disruptiva dos ICOs, assim como a das criptomoedas é bastante difícil de se prever. E se há países que proíbem a sua atividade, há aqueles que neutralizam o seu parecer e há aqueles que apoiam ativamente esta atividade. Malta, que mantém uma mentalidade mais aberta aos ICOs é hoje um dos grandes centros mundiais deste setor.

Novos centros de inovação ainda surgirão graças ao desenvolvimento de marcos regulatórios positivos. Estas mudanças sempre são despertadas pelo medo e proteção de um lado, mas sua tendência é a de amadurecer para pareceres mais positivos. Com isso, a indústria das ofertas iniciais de moeda tende a tornar-se mais robusta, mais segura e ser um processo onde todos os participantes tendem a se beneficiar.

 


Imagens: cortesia de Pixabay

Especialistas temem que China perca 90% do mercado de Bitcoin

De acordo com o editorial britânico Express, o Banco Central da China confirmou que as negociações de compra e venda de bitcoin no RMB (moeda chinesa) caíram de um pico anterior de 90% para menos de 1% desde setembro de 2017.

Os especialistas em criptomoedas residentes na China temem perder o controle sobre o mercado de criptomoedas no país. Mercado este que assumiu um crescimento e volatilidade bastante expressivos no final do ano de 2017.

A proibição total no país veio no início de fevereiro de 2018. Neste, o Banco Popular da China – PBOC (autoridade central reguladora para instituições financeiras e política monetária), emitiu uma declaração de que “bloquearia o acesso a toda as exchanges de criptomoedas domésticas [do país] e estrangeiras” sites relacionados a ICOs (Ofertas Iniciais de Moedas).

Porém, o processo iniciou-se antes da proibição definitiva. O Banco Popular da China confirmou que garantirá uma saída de risco zero para as 88 exchanges e 85 plataformas de negociação de ICOs desde setembro de 2017.

Zhang Yifeng, analista de blockchain da Zhongchao Credit Card Development Company, disse à Xinhua: “As medidas oportunas dos reguladores efetivamente evitaram o impacto de altas e baixas acentuadas nos preços das moedas virtuais e lideraram a tendência global de regulamentação”.

Jon Ostler, CEO da finder.com disse ao Express.co.uk no início desta semana que, com a China em mente, “a indústria de criptomoedas está otimista em relação ao futuro”.

Bitcoin logo

O governo Chinês realmente está otimista?

O governo chinês financiou abertamente projetos de blockchain na China, que nasceram e foram criados na China. Sua política em relação a criptomoedas e projetos blockchain é quase idêntica à sua política de plataformas de mídia social, mecanismos de busca e sites de compartilhamento de conteúdo.

A China baniu o Google, o Facebook e o YouTube para permitir que o Baidu, o WeChat e o Youku dominassem o mercado local. Semelhante a essa política, a China expressou seu apoio a plataformas como VeChain, Qtum e projetos de blockchain promissores que foram criados na China e estão baseados no país.

Analistas especulam que a proibição do comércio de criptomoedas na China foi utilizada pelo governo para impor controles estritos de capital, principalmente para evitar que o yuan chinês deixasse o país. Embora a proibição possa ser revertida caso seja criada demanda suficiente por parte dos investidores locais, é improvável que a China desbanque o comércio de criptomoedas em um futuro próximo, já que sua proibição nunca foi realmente sobre as criptomoedas em si, mas seus sobre seus rígidos controles de capital.

Mais de $750M foram roubados de criptoexchanges em 2018

Apenas no primeiro semestre de 2018, mais de 750 milhões de dólares em criptomoedas já foram roubados. Isto é quase o triplo do total de 2017. Lembramos que estamos apenas no primeiro semestre.

As perdas podem checar a até 1,5 bilhão de dólares neste ano segundo um novo relatório da CipherTrace, uma empresa de cibersegurança baseada nos EUA desenvolvendo soluções de segurança para blockchain, anti-lavagem de dinheiro (AML) para transações com criptomoedas e bancos.

Nos últimos dois anos, os criminosos já fugiram com $1,2 bilhão de dólares em criptomoedas das exchanges. De acordo com o relatório, os roubos recentes incluem os $530 milhões da Coincheck, os $10 milhões da CypheriumChain  e do aplicativo de trading Taylor, $1,5 milhão de dólares.

Roubo de criptomoedas

Lavagem de dinheiro

As criptomoedas que foram roubadas geralmente são lavadas (lavagem de dinheiro) e ajudam os criminosos a esconder suas verdadeiras identidades e evitar a prisão.

Existem uma série de serviços para a lavagem de dinheiro de criptomoedas. Estes serviços, comumente chamados de misturadores (do Inglês, mixers), recebem fundos de diversos clientes, combinam estes fundos e depois produzem fundos mistos. O objetivo destes serviços de lavagem de dinheiro e o de mascarar a origem do recebimento das criptomoedas. Os prestadores deste tipo de serviço geralmente cobram entre 1% e 3% por transação.

Serviços conhecidos de lavagem de dinheiro com criptomoeda incluem BestMixer.io, Bitblender, Bitcloak e Coinmixer, entre outros.

Lavagem de dinheiro com criptomoedas
Imagem que ilustra o processo de lavagem de dinheiro.

Além desses serviços especializados, os sites de jogos que utilizam criptomoedas também são freqüentemente usados ​​como mecanismos de lavagem de dinheiro. Isto porque eles têm pouca ou nenhuma regulamentação sobre o Know Your Customer (KYC) [Conheça o seu cliente], diz o relatório. Existem entre 100 e 200 sites de gabling na Internet que se concentram em criptomoedas. Os criminosos podem abrir contas nesses sites e depois transferir fundos para lavá-los. Eles farão apostas simples, ou até mesmo, em alguns casos, simplesmente retirarão fundos para um novo endereço sem nenhuma aposta.

Em 2017, $ 266 milhões de dólares foram lavados por meio de criptomoedas. Até agora, em 2018, esse valor é de $ 761 milhões. Esse problema multibilionário e crescente de lavagem de dinheiro por criptomoedas atraiu a atenção dos reguladores globais.

O relatório também fornece insights sobre a cooperação global e a repressão do Grupo de Ação Financeira Internacional contra o Combate ao Crime (FATF). As regras atuais exigem que as exchanges sejam registradas ou licenciadas, que verifiquem as identidades dos clientes, que impeçam a lavagem de dinheiro e relatem transações convencionais e suspeitas.

De acordo com a Reuters, o FATF atualmente  está discutindo a obrigatoriedade de regras de exchanges de criptomoedas. Também é esperada uma ação de imposição global adicional da Rede de Execução de Crimes Financeiros dos EUA (FinCEN). Este órgão provavelmente terá como alvo serviços de lavagem de dinheiro, exchanges P2P e moedas de privacidade (privacy coins).

“Até agora, a falta de orientação reguladora impediu a adoção mais ampla das criptomoedas. Agora estamos vendo grandes caras se unindo pedindo regulamentação de criptomoedas de AML – isso é inevitável, será unificado e será global ”, disse Dave Jevans, CEO da CipherTrace e co-presidente do Grupo de Trabalho de Criptomoeda do APWG.org.

“Haverá pouco espaço para criptomoedas de privacidade sem AML ou misturadores (lavadores de dinheiro) nesses regimes regulados por KYC e AML. Este também será um alerta para exchanges de moedas virtuais e instituições financeiras, expondo-as ao risco de enfrentar duras penalidades ”.

 


Imagens: Pixabay e Cryptocurrency Anti-Money Laundering Report

Assembléia da Coréia do Sul faz proposta oficial sobre ICOs

Há quase oito meses após uma proibição geral das Ofertas Iniciais de Moedas, as ICOs, a Assembléia Nacional da Coréia do Sul fez uma recomendação oficial para permitir as ICOs domésticas no país.

De acordo com o relatório do Business Korea na última terça-feira, uma proposta oferecida pelos 300 membros da legislatura local fez uma proposta para a permissividade das ICOs domésticas no país.  A proposta contempla o aceite das disposições relevantes à proteção de investidores no país.

O comitê especial formado pela Assembléia Nacional sobre a chamada “quarta revolução industrial” chegou a acusar o governo de “negligenciar o seu dever” de responder ao setor de blockchain, conforme o relatório. A proibição das ICOs pela Coréia e China viu um verdadeiro êxodo de empresas migrando de seus países para jurisdições mais amigáveis como Cingapura e Suíça para a condução de suas ICOs.

As discussões travadas entre a Assembléia Nacional e o governo irão “acelerar”. De forma mais explícita, a Assembléia Nacional Sul Coreana apresentou uma proposta legislativa e política para recomendar a permissão das ICOs.

O comitê da chamada  4ª revolução industrial também solicitou ao governo a formação de uma  força-tarefa composta por funcionários públicos e especialistas de mercado para “melhorar a transparência do comércio de criptomoedas e estabelecer uma ordem comercial saudável”.

Além disso, afirmou:

“O governo também precisa considerar a criação de um novo comitê e a criação de sistemas de governança em seu nível, com o objetivo de fazer políticas sistemáticas para a blockchain e fornecer suporte industrial de forma eficiente. Também estabeleceremos uma base legal para o comércio de criptomoedas, incluindo a permissão de ICOs, por meio do Comitê Permanente da Assembléia Nacional.”

O esforço legislativo veio à tona no início deste mês quando um grupo de legisladores liderados pelo deputado Hong Eui-rak do Partido Democrático da Coréia – da base do governo – começou a elaborar um projeto de lei para legalizar o lançamento de novas ICOs no país.

“O projeto visa legalizar as ICOs sob a supervisão do governo […]”, disse ele na época. “O principal objetivo da legislação é ajudar a remover as incertezas enfrentadas pelos negócios relacionados à blockchain”.

Esta virada segue as recentes observações do novo chefe da agência financeira da Coréia, que optou por colocar os holofotes sobre os “aspectos positivos” das criptomoedas, enquanto sugere que as autoridades provocar um relaxamento nas restrições sobre as criptomoedas no que é um dos maiores mercados de criptoativos do mundo.



Imagens: Pixabay e Wikipédia

311 investidoes de criptomoedas doJapão já somam $1M em lucros

Os principais meios de comunicação Sul Coreanos e Japoneses: JoongAng e Nikkei, relataram que a Agência Tributária Nacional (NTA) do Japão está ciente de que 311 investidores do setor de criptoativos do japão registraram um lucro de 1 milhão de dólares através do comércio de criptomoedas, gerando mais de 331 milhões no total.

Criptomoedas e o Imposto de Renda Japonês

Até o fim de 2017, a NTA informou que 21,98 milhões declararam impostos no Japão. Isto gerou mais de 41,4 bilhões de ienes. A NTA revelou que a quantidade de impostos arrecadados no último ano avançou em mais de 3% em relação ao ano anterior (2016). O aumento no volume também se deu por conta da melhoria da economia japonesa.Dos 21,98 milhões de pessoas que declararam impostos ao governo, 549 indivíduos registraram lucro não operacional ou não produtivo de 1 milhão de dólares. Isto frequentemente reflete a obtenção de renda por investimentos em ações, ativos, commodities e propriedades. Dos 549 indivíduos, 331 eram investidores em criptmoedas que renderam mais de um milhão de dólares em lucro no mercado japonês de criptomoedas.

Em 2017,  o governo japonês, a Financial Services Agency (FSA) e a NTA anunciaram que as autoridades monetárias locais taxariam até 55% do lucro não operacional gerado pelos investimentos. Em fevereiro deste ano, a Bloomberg informou que o governo japonês sugeriu sua intenção de taxar até 55 por cento no investimento em criptomoedas, especialmente em indivíduos que fizeram mais de 40 milhões de ienes, no valor de cerca de US $ 365.000.

O governo japonês não esclareceu sua política sobre impostos sobre operações com criptomoedas e os investidores admitiram sua falta de confiança no mercado de criptomoedas.

“O governo não esclareceu alguns detalhes, então você não tem certeza se está certo ou não”, disse o consultor de tecnologia blockchain Hiroyuki Komiya.

Em regiões como os EUA, as agências fiscais e as autoridades financeiras locais desafiaram anteriormente empresas como a Coinbase a perseguir investidores de criptomoedas para angariar impostos. No entanto, no Japão, a NTA declarou que todos os 331 investidores declararam seus ganhos de investimento em criptomoedas ao governo e continua otimista em relação à declaração voluntária de impostos dos investidores em criptomoeda.

Ainda assim, alguns especialistas do setor afirmaram que o número parecia baixo demais para ser verdade e enfatizaram que suspeitam que muitos investidores optaram por não declarar seus ganhos.

“Se o rápido crescimento do setor de criptomoeda no final de 2017 for considerado, 331 é um número que é simplesmente muito baixo para ser verdade. Uma grande parte dos investidores de criptomoeda provavelmente não declarou seus ganhos ao governo ”, disse um analista.

A Coréia do Sul acompanhará o Japão?

No ano passado, o governo sul-coreano proibiu investidores locais de investir em Ofertas Iniciais de Moeda (ICOs) para “minimizar risco”. No entanto, no início deste ano, após o anúncio da Kakao e da Bithumb para conduzir ICOs fora da Coreia do Sul, o governo local declarou que legalizaria as ICOs, uma vez que uma política tributária apropriada fosse elaborada.

“O governo sul-coreano não tem outra escolha a não ser seguir os marcos regulatórios e as tendências estabelecidas por outros governos líderes. Embora certamente exista uma reputação negativa ligada às criptomoedas, a postura do governo é permitir o que deve ser permitido, para o benefício do mercado sul-coreano ”, disse uma autoridade do governo sul-coreano.

É provável que a Coréia do Sul siga em breve o roteiro do sistema de declarações voluntárias do Japão e ajude os investidores em criptomoedas a declarar seus ganhos ao governo.

Irã considera proibir Telegram após lançamento do ICO

O parlamentar Alaeddin Boroujerdi pediu a proibição do Telegram no país. O popular aplicativo de mensagens recebeu a notícia após o lançamento de seu ICO (Oferta Inicial de Criptomoedas). As autoridades iranianas temem a posição de liderança do app no país e que tal posição poderia insurgir em monopólio, causdo prejuízos à moeda nacional.

O secretário do Alto Conselho do Ciberespaço do Irã, Hassan Firouzabadi afirmou: “o Telegram nunca concordou em ter um escritório no país e se recusou a trabalhar com o setor privado”. Acrescentou ainda que a criptomoeda criada pelo Telegram poderia prejudicar a moeda nacional iraniana. “Não podemos permitir que essa moeda virtual entre no país”.

Vários analistas afirmam que a posição tomada pelo governo sobre o app é mais uma forma de censura que de decisão econômica. Tal iniciativa teria como principal  mote a desarticulação de organizações de manifestações populares como ocorrido em 2017 por todo o país.

Para Firouzabadi, o fenômeno das criptomoedas teria curta duração, sendo de apenas “10 anos”. Acrescentou ainda que: “durante esse período, aproximadamente US$ 50 bilhões serão retirados do pais. Mas se o preço cair na calada da noite, as pessoas vão protestar porque não houve monitoramento”.

Os parlamentares versus a proibição

Jalili Rahimi Jahanabadi, chefe da comissão judiciária no Irã nega as declarações de que o banimento do Telegram teria sido discutido em uma sessão parlamentar. “(…) não se pode ignorar o direito inalienável das pessoas à comunicação”, afirmou Jalili.

O parlamentar Tayebeh Siavoshi posicionou-se com relação ao bloqueio com a seguinte declaração: “é possível, mas eu sou veementemente contra o bloqueio como única solução”.

Devido às diversas declarações a favor e contra o bloqueio do app Telegram, o presidente do país, Rouhani afirmou que ter um aplicativo iraniano poderia resolver as necessidades da população.

“(…) ter um aplicativo iraniano de mensagem forte, seguro e econômico, que possa resolver as necessidades da população, certamente fará com que todos se sintam orgulhosos”.

Porém, o mesmo afirma que “o objetivo de criar e aprimorar aplicativos de software e mensagens nacionais não deveria bloquear o acesso [a outros aplicativos], mas contribuir para o fim de um monopólio”.


Fonte: Newsbitcoin, Imagens: Pixabay

Google bane extensões sobre criptomoedas

Google bane extensões sobre criptomoedas. O Google anunciou ontem, dia 2 de abril que irá proibir extensões relacionadas à mineração de criptomoedas. Tais extensões para o navegador Chrome serão retiradas da Chrome Web Store.

A mineração via navegadores

De fato, minerar criptomoedas via navegadores web não é uma maneira muito eficiente de obtenção de renda. Porém, caso você seja um desenvolvedor web e possua milhares de máquinas a seu favor, a escala faz total sentido. Durante bastante tempo a Chrome Web Store permitia que várias extensões de mineração fossem utilizadas. Por meio delas, os desenvolvedores poderiam publicar extensões que tinham como único propósito a mineração.

Porém, cerca de 90% das extensões de criptomoedas não seguem tal regra. A sedução do baixo preço do Monero estimulou alguns desenvolvedores. Eles tentam contrabandear seus scripts de mineração para que pareçam extensões legítimas. Alguns destes desenvolvedores foram detectados e removidos da Web Store. Extensões como estas tendem a utilizar uma grade quantidade de processamento.

Quantidade de processamento utilizada quando se habilita uma extensão relacionada à mineração. Imagem: TechCrunch

Google bane extensões sobre criptomoedas

O Google ainda irá permitir extensões que tenham relação com a blockchain. Isto caso elas não tenham relação com a atividade de mineração. E desde ontem (2 de abril) o Google cessará a permissão de extensões que exponham as criptomoedas. A partir de junho, todas as extensões existentes serão excluídas.

Segundo James Wagner, gerente de produto do Google:

“A plataforma de extensões fornece recursos poderosos que permitiram que nossa comunidade de desenvolvedores construísse um catálogo vibrante de extensões que ajudam os usuários a aproveitar ao máximo o Chrome”.

Ele ainda acrescenta que:

“Infelizmente, esses mesmos recursos atraíram desenvolvedores de software mal-intencionado que tentam abusar da plataforma às custas dos usuários. Essa política é outro passo em frente para garantir que os usuários do Google Chrome aproveitem os benefícios das extensões sem se exporem a riscos ocultos”.

Google bane extensões sobre criptomoedas
Produtos proibidos segundo a política de extensões do Google.


Imagem: Pixabay

Banco Central da Malásia deixa o público decidir o destino das criptos no país

O Banco Central da Malásia, o Banco Negara, deverá lançar um “documento conceitual”, pedindo que o público decida o destino das criptomoedas no país, de acordo com um relatório recente. O governador do Banco Negara, Muhammad Ibrahim, assegurou que o banco não proibirá nem reconhecerá as criptomoedas e que o documento será finalizado em fevereiro.

A Malásia deixa o público decidir

Durante o jantar do 40º aniversário do Harvard Business School Alumni Club da Malásia, o governador do Bango Negra, Muhammad Ibrahim, disse:

“Basicamente, vamos deixar os promotores de criptomoedas, incluindo o Bitcoin, Ethereum e Ripple serem mais transparentes. Os métodos devem ser transparentes e as pessoas deste cenário também devem ser mais transparentes.”

Banco Negara - Malásia e as Criptomoedas

A Malásia tem sido considerada um tigre econômico. Sua economia cresceu mais rápido que outros países da região, como a Coréia do Sul. Também já ultrapassou a França e a Austrália.

Sua economia é excepcionalmente paternalista. Sua monarquia funciona em um sistema de rotação onde o rei é escolhido entre algumas famílias. Ele atua como chefe de estado cerimonial e nomeia membros do parlamento e ministros.

Os comentários de Ibahim estão alinhados com os do Ministro das Finança, II Johari Abdul Ghani, que recentemente esclareceu que o país não baniria por completo as criptomoedas. Segundo o mesmo, isto limitaria a criatividade e inovação do setor financeiro.

Esta já é a segunda vez que o governo recorre à opinião pública em relação às criptomoedas. Em dezembro de 2017, o banco central colheu diretrizes de regulamentação de criptomoedas de cidadãos e executivos do país.

Política Ousada

Embora os últimos comentários do Sr. Ibrahim possam parecer uma vitória para forças de mercado mais livres, uma sugestão do velho paternalismo também permeou o relatório. Ele previu sobre a quantidade de dívida que os cidadãos deveriam ter em relação aos preços da habitação, ampliando o papel do regulador em uma economia. Ele mencionou que o setor corporativo está sempre procurando um relaxamento das regras, mas que o trabalho do governo era preservar a “estabilidade”.

Apesar de os comentários do Sr. Ibrahim parecerem uma vitória para a aplicação de forças de mercado mais liberais, o paternalismo ainda permeia o relatório publicado. Ele previu a quantidade de endividamento que os cidadãos deveriam ter em relação aos preços de habitação, ampliando o papel regulador na economia. Mencionou ainda que o setor corporativo estaria sempre procurando por um relaxamento das regras, mas que o trabalho do governo era de preservar a “estabilidade”. Ele lembrou que:

“Quando necessário, os formuladores de políticas devem ser ousados na elaboração de políticas, especialmente quando a operação no sistema financeiro e econômico enfrenta pressão ou os padrões não são mais efetivos”.

Para os entusiastas do cripto, a esperança é que o Banco Negara realmente ouve seus cidadãos, já que o país continua a ter uma cena vibrante de intercâmbios de criptografia no sentido tradicional, juntamente com opções peer-to-peer.

Para aqueles que são entusiastas das criptomoedas, a esperança é que o Banco Negara realmente ouça seus cidadãos. Isto por que o país continua a ter um cenário vibrante de exchanges de criptomoedas no sentido tradicional, juntamente com opções peer-to-peer.


Fonte: Bitcoin.com
Imagens são cortesia de Pixabay.