Bitcoin

Pesquisadores encontram pornografia infantil na blockchain do Bitcoin

Sendo uma das principais características da tecnologia do Bitcoin, a Blockchain também pode ser o seu maior problema. Isto se deve ao fato da imutabilidade e da natureza distribuída (banco de dados distribuídos) desta tecnologia. Pesquisadores encontraram indícios de pornografia na Blockchain do Bitcoin.

Pornografia na Blockchain

Recentemente, uma equipe de pesquisadores alemã encontrou conteúdos questionáveis dentro da cadeia de blocos do Bitcoin. Um destes conteúdos continha links para pornografia infantil e pelo menos uma destas imagens. Como a totalidade da blockchain pode ser baixada por mineradores ou por qualquer um que queira realizar transações na rede [há carteiras online que armazenam todo este conteúdo em seus servidores], há a possibilidade de qualquer pessoa ter a posse deste conteúdo potencialmente ilegal.

Os dados armazenados na blockchain do Bitcoin consistem em uma lista de transações que são armazenadas. Porém, é possível realizar o armazenamento de dados, não só de transações, na blockchain. O primeiro bloco minerado na blockchain continha uma mensagem de texto inserida por Satoshi Nakamoto. A ele é atribuída a criação do Bitcoin. Porém, alguns indivíduos se utilizaram deste recurso para inserir conteúdo potencialmente ilegal.

Um artigo científico intitulado de “A Quantitative Analysis of the Impact of Arbitrary Blockchain Content on Bitcoin”, ou “Uma Análise Quantitativa do Impacto do Conteúdo Arbitrário de Blockchain em Bitcoin” relatado pelo The Guardian, publicou uma análise de aproximadamente 1.600 arquivos existentes na blockchain do Bitcoin. Os pesquisadores da RWTH Aachen University na Alemanha afirmam que a maior parte do conteúdo presente é inofensivo, mas há pelo menos um arquivo que retrata a “nudez de uma jovem” e “centenas de links para pornografia infantil”.

“Como resultado, pode se tornar legal possuir a blockchain, que é necessária para se participar do Bitcoin. Por isso, conteúdo censurável pode pôr em risco os sistemas blockchain de bilhões de dólares atualmente populares”, afirma o documento.

Outras espécies de conteúdo citados pelo documento com potencial problemático também foram encontrados na blockchain, entre eles: dados que violam direitos autorais, privacidade, politicamente sensíveis e malwares antigos.

A imutabilidade do Bitcoin

O problema com isso é a imutabilidade do Bitcoin – você simplesmente não pode remover um bloco do blockchain. Imagine colocar tijolos únicos em cima uns dos outros – tijolo após tijolo após tijolo. Pegue um fora e a coisa toda desmorona. Isso é bom para transações financeiras, pois torna impossível gastar o seu dinheiro duas vezes, mas é problemático quando você tem uma imagem ou link ilegal lá. E sim, há muito conteúdo ilegal na internet, mas você não é realmente obrigado a ter nada disso no seu computador para usar a internet.

A grande questão destes dados é a imutabilidade da blockchain do Bitcoin. Não há maneiras (pelo menos ainda) de remover um bloco da blockchain. É como tentar remover o primeiro tijolo de um edifício. Sendo que a remoção deve ser feita em fila reversa, ou seja, do último para o primeiro. Além disso, ao remover um tijolo, o edifício desmoronaria. Isto por que os blocos dentro da blockchain estão ligados entre si.

Apesar de ser bastante interessante para a indústria de finanças (entre outras), pois torna impossível um gasto de capital mais de uma vez, pode tornar-se problemático se você pretender ter uma imagem ou link ilegal nesta rede. Para o usuário comum, isto é praticamente irrelevante. Mas o problema está no cerne regulatório do Bitcoin e da tecnologia. Isto pode afetar a aceitação da moeda de forma legal. Um juiz pode alegar que é ilegal possuir a blockchain em uso privado. Isto afetaria mineradores e usuários que querem usufruir da tecnologia sem ter de contar com uma empresa online para armazenar a sua carteira Bitcoin.

Neste momento, a tecnologia da imutabilidade do Bitcoin não é negociável. Não há como apagar ou alterar qualquer bloco dentro da blockchain. Alterações podem ser bem vindas no futuro como a exclusão de inserção de certos tipos de dados na blockchain ou criptografá-la, mesmo que em partes. Há ganhos de uma parte e percas de outro.

Porém, este problema já havia sido levantado anteriormente. O ex-desenvolvedor do core do Bitcoin Jeff Garzik já havia alertado isto por meio de um blog em 2013. À época ele mencionou isso como um problema difícil de se resolver. Em 2015 a Interpou emitiu um alerta de que a cadeia de blocos poderia ser utilizada para o armazenamento de malwares e imagens de abuso infantil.

Entre na discussão