BNDES terá sua própria blockchain em parceria com KfW

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento) irá iniciar o uso de sua própria moeda virtual em suas operações internas. A moeda, ainda sem nome, será restrita ao pagamento de fornecedores dos projetos apoiados pelo banco. Tal iniciativa permitira que o dinheiro desembolsado pela instituição seja rastreado por meio da tecnologia blockchain. O sistema de pagamento pretende ser desenvolvido em parceria com o banco de desenvolvimento alemão KfW. O objetivo galgado pelos dois bancos é o de obter uma maior transparência para as operações.

Tecnologia Blockchain

O sistema terá como base a tecnologia blockchain. A mesma utilizada no Bitcoin e em outras criptomoedas. A tecnologia permite a criação de uma espécie de “livro-razão” onde todas as transações financeiras são registradas sem a necessidae de algum intermediário para validá-las. As transações são registradas e armazenadas em um banco de dados distribuído de forma permanente e imutável.

Sede do BNDES no Rio de Janeiro. Foto: Agência Brasil.

Sede do BNDES no Rio de Janeiro. Foto: Agência Brasil.

O interesse do BNDES

Para o BNDES, um dos grandes pontos da tecnologia é a sua possibilidade de rastreamento. Ou seja, uma vez aprovado, determinado financiamento, o banco repassa uma quantidade de moedas virtuais (ainda sem nome definido) para a empresa ou organização que requisitou os recursos. A empresa recebedora utilizará esta moeda para transacionar com fornecedores previamente cadastrados no sistema do banco. Somente após isso, os fornecedores poderão converter a moeda virtual em moeda fiat, neste caso, o Real.

O primeiro caso de uso desta moeda serão os projetos relacionados ao Banco da Amazônia. Instituição gerida pelo próprio BNDES.

Interesses gerais

O interesse do KfW é utilizar o novo sistema em suas operações de apoio no continente Africano. A ideia é de que outros bancos de desenvolvimento mundo afora também façam uso da plataforma em um futuro próximo. O BNDES ainda irá trabalhar em paralelo com o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação. O objetivo é criar um sistema semelhante à parceria realizada com o KfW. O interesse é de utilizar as tecnologias ligadas a moedas virtuais e a tecnologia blockchain a empréstimos concedidos a estados e municípios.