Abcripto cita nota do Bacen sobre recomendação de inclusão de criptoativos no balanço de pagamentos

Em suas Estatísticas do Setor Externo divulgadas dia 26 de agosto de 2019, o Banco Central, na seção 3 (Balança comercial – revisão e criptoativos), mencionou a inclusão de compra e venda de criptoativos nas estatísticas oficiais de exportação e importação de bens. A inclusão é, segundo o documento, recomendação do Comitê de Estatísticas de Balanço de Pagamentos, órgão consultivo sobre metodologia das estatísticas do setor externo ao Departamento de Estatísticas do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Segundo o documento, o comitê “recomendou classificar a compra e venda de criptoativos (especificamente aqueles para os quais não há emissor) como ativos não-financeiros produzidos, o que implica sua compilação na conta de bens do balanço de pagamentos. A atividade de mineração de criptomoedas, portanto, passa a ser tratada como um processo produtivo. A recomendação foi formalizada no texto ´Treatment of Crypto Assets in Macroeconomic Statistics´”. 

A Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto) acompanha o tema. O documento do Bacen não aponta quais criptoativos poderão ser considerados e nem de que de forma serão contabilizados no balanço de pagamentos, mas enfatiza que “O Brasil tem sido importador líquido de criptoativos, o que tem contribuído para reduzir o superávit comercial na conta de bens do balanço de pagamentos”.

Esse movimento do Bacen é de extrema relevância e acena para a legitimação e o fortalecimento dos criptoativos na economia brasileira. Representa um alinhamento entre o olhar das instituições e as necessidades do setor, rumo ao crescimento sustentável deste mercado e ao acesso da população aos criptoativos de forma segura e democrática. A ABCripto buscará mais detalhes junto ao Bacen.

Fonte: Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto) e Bacen